Entrevista de Elmo Francfort, autor do livro sobre a Rede Manchete ao site Observatório da Imprensa

Marcel Pazzin, Observatório da Imprensa, em 15 de abril de 2008 (reprodução Rede Manchete.Net)

Qual foi o tom empregado na concepção do livro? Há quem diga que livros históricos sobre emissoras de televisão são excessivamente saudosistas e pouco objetivos.

Elmo Francfort: Quis ser imparcial ao extremo. E tive surpresas no meio do caminho. O César Castanho, por exemplo, que era diretor da IBF, defendeu a administração de que fazia parte, mas ao mesmo tempo falou que havia respeito por parte da IBF a Adolpho Bloch. Eu sou a favor de livros que não sejam só saudosistas, porque temos que criar o registro histórico. Não quis também um livro criteriosamente analítico, sem emoção alguma. Tentei encontrar o meio tom. Um tom que tivesse o espírito da Manchete.

A TV Manchete obteve respeito sobretudo através da dramaturgia e do jornalismo. Como você avalia o legado deixado pela emissora?

E.F.: A Manchete fez escola. Muita gente boa passou por lá, outras começaram ali. No jornalismo, por exemplo, um grande time se formou: Mariana Godoy, Mylena Ciribelli, Ana Paula Padrão (que era da TV Brasília), Lorena Calábria e outros. Muitos despontaram na Manchete, como Alexandre Garcia, Luiz Carlos Azenha, Milton Neves, Luiz Gonzaga Mineiro, Carlos Amorim, Nelson Hoineff. Na teledramaturgia também aconteceu o mesmo: surgiram nomes como Giovanna Antonelli, Cristiana Oliveira, Paulo Gorgulho, Marcos Palmeira, Taís Araújo, Dalton Vigh, Murilo Rosa, Carla Regina, Jayme Monjardim.

A Manchete desenvolveu uma receita própria para chegar ao sucesso ou apoiou-se em mão-de-obra da TV Globo? O fato de ela ter sido sediada no Rio colaborou para o êxito?

E.F.: As duas coisas. A Manchete, no início, tinha como objetivo formar um novo time de profissionais. Existia até um curso de telejornalismo oferecido pela emissora. A Manchete fez o que a Record hoje faz. Ela tentou ao máximo colocar artistas e profissionais da Globo, bem reconhecidos pelo público, porque assim os telespectadores reconheceriam a Manchete como uma segunda opção de qualidade na TV. Era uma questão de estratégia.

Muitas novelas, programas e arquivos ainda estão deteriorando nas antigas instalações da rede no Rio. Existe alguma esperança de restauração e reexibição destas obras?

E.F.: Anterior a 1994, só o que for recuperado pelo caminho, como as fitas que foram para a TV Cultura e que hoje são vistas em matérias do Grandes Momentos do Esporte. O resto, infelizmente, nós só veremos no dia que uma instituição cultural negociar com os titulares dos direitos das fitas. É uma lástima acontecer com a Manchete o que aconteceu com o arquivo da Tupi, onde maioria se perdeu com o tempo e com os fungos.

As crises pelas quais a emissora passou foram resultado de uma má gestão de Adolpho Bloch, a exemplo do que acontece hoje com o SBT?

E.F. : Foram diversos fatores. Não podemos dizer que seja exclusivamente culpa de Adolpho Bloch. Ao mesmo tempo em que alguns fatores o culpam, outros o defendem e o elegem como principal defensor dos funcionários da Manchete. São muitos detalhes. Fiz questão de deixar para o leitor julgar. Meu objetivo foi mostrar os dois lados.

E como avalia a RedeTV! como sucessora?

E.F. : É uma outra empresa, uma outra filosofia. Se tivessem perfis próximos, poderia avaliar e comparar. No início a RedeTV! era parecida e infelizmente pecou por não olhar para trás. Ela começou com um perfil classe A, o mesmo que no início a Manchete tinha ? o perfil que fez com que a Manchete se acidentasse, não tendo tanto faturamento no início. Eles demoraram uma década praticamente para se acharem. Talvez a RedeTV! caminhe para isso, para encontrar seu nicho. A Manchete tinha uma grife, ela era querida do público. A RedeTV! tem um público, mas ainda não é vista como uma possível favorita. Atualmente a RedeTV! a única emissora com programação 100% HDTV. Eu torço para que ela com isso dê o primeiro passo no reconhecimento do público. Uma vez tendo uma emissora reconhecida é o ponto de partida para desenvolver seu perfil e conseguir seu lugar ao Sol.

Há quem diga que a marca TV Manchete pode ser reutilizada. Hoje, ela pertence à TV Pampa de Porto Alegre.

E.F.: Toda marca tem uma história e carrega em si um nome, uma tradição, fatores e estereótipos. Só que não é fácil. Mais difícil do que voltar a TV Tupi é voltar com o nome Manchete. Principalmente porque ainda está muito viva, presente na memória dos profissionais que hoje têm o poder de decisão, que movimentam o mercado. Voltar com a Manchete sem ter uma qualidade em todos os sentidos, desde conteúdo à qualidade gráfica é dar um tiro no pé. Ela ainda é uma grife. Para voltar com a Manchete é necessário ser Manchete filosoficamente. O Marcos Dvoskin, atual dono da revista Manchete, disse em entrevista para o livro sobre o cuidado que tem com a volta periódica da revista. Ele acha que tem mercado, mas que é necessário oferecer um produto de qualidade sempre, sem decair. Mas para oferecer é necessário dinheiro por dois lados: aplicação e faturamento. Precisa aplicar de início, investir, buscando um faturamento futuro. Precisa de um prejuízo que será pago com um lucro. Para os gaúchos, a marca TV Manchete na Pampa pode até ter uma boa aceitação, já que ela foi por muito tempo afiliada da Rede Manchete. Aliás, a primeira afiliada, em 1983. Só que acredito que os Gadret [controladores da Rede Pampa] têm consciência disso, pela experiência que têm com a Rede Pampa há décadas. Fica a pergunta de onde eles pretendem chegar, se ser a TV Pampa com outro nome ou criar uma nova rede fora do eixo Rio-São Paulo.

Link para matéria: http://redemanchete.net/artigos/artigo.asp?id=294&t=Entrevista-de-Elmo-Francfort,-autor-do-livro-sobre-a-Rede-Manchete-ao-site-Observatorio-da-Imprensa

Mais artigos relacionados
Carregar mais em Notícias

Veja também

“O Pulo do Gato” ganha livro

Há quase meio século (45 anos, mais precisamente), São Paulo acorda ao som do mesmo miado …